quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Novas imagens de The Walking Dead: arrombamento, floresta e mais!

A quarta temporada de The Walking Dead retorna no próximo domingo, dia 9 de fevereiro, pronto para mostrar as consequências do último episódio e, quem sabe, dar adeus à prisão.
O Entertainment Weekly publicou sete novas imagens da série, que revelam as situações atuais de diversos personagens. A mais preocupante certamente é uma que mostra Glenn ensanguentado enquanto zumbis tentam subir até o local onde ele se encontra.

No entanto, a segunda foto já mostra o personagem vestindo um capacete, ou seja, pronto para a ação!

Ao mesmo tempo, Michonne volta a ter dois novos "animais de estimação", mas não parece nada feliz em andar sozinha pelos matagais.

Já Carl e Rick parecem ter encontrado uma pequena cidadezinha e, como não podia deixar de ser, vão vasculhar o local em busca de abrigo e suprimentos.

Fonte
Para completar, Daryl também é destaque nas fotos, especialmente em uma na qual o acompanhamos de volta à floresta. Será que ele está fugindo de alguém?


Preparados para o retorno de The Walking Dead? Nós estamos!

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Robert Kirkman revela o roteiro original para The Walking Dead


A edição comemorativa do aniversário de 10 anos do lançamento da primeira edição de The Walking Dead apresenta um tesouro de extras como a proposta original para a série em quadrinhos e as cinco primeiras páginas, as quais mostram Rick e Lori assistindo a transmissão de notícias sobre zumbis que é retirada do filme “A Noite dos Mortos-Vivos”. De fato, esse seria o título. O filme dos anos 60 tinha caído no domínio público e daria um reconhecimento imediato aos quadrinhos, Robert Kirkman explica em uma entrevista de 15 páginas. Kirkman mudou o nome após o editor Jim Valentino sugerir que ele tomasse posse de seu próprio trabalho, o que, obviamente, funcionou para ele, mas Kirkman também recebeu uma advertência indesejada. Nenhum quadrinho sobre zumbis tinha sido bem sucedido, então Valentino sugeriu que a produção tivesse algum “atrativo” a mais.

“Eu realmente senti fortemente que The Walking Dead, como era antes do ‘atrativo’, um drama direto, insurgindo do mundo do apocalipse zumbi, era um empreendimento louco e que o ‘atrativo’ não era necessário.”, Kirkman contou. “Então eu fiz o que tinha que fazer e, na verdade, vim com uma história alternada que eu diria que não era necessariamente verdadeira. Você também poderia usar a palavra ‘mentira’, mas isso não é divertido. Então eu fui até os rapazes e disse, ‘Olha, vocês estão certos, é preciso ter um atrativo e é por isso que, após algumas edições, eu vou revelar que essa é, na verdade, uma história sobre uma invasão alienígena. Que os zumbis, na verdade, foram colocados na Terra pelos aliens e será revelado que é, na verdade, um épico de ficção científica envolvendo a invasão alienígena. As sementes serão plantadas bem no início, mas demorará um tempo antes da revelação acontecer.”

Acrescentando crenças a seu subterfúgio, Kirkman, originalmente, se propôs a fazer quadrinhos de ficção científica com zumbis chamados “Death Planet”. Ele eventualmente confessou o boato sobre os alienígenas após várias edições, mas, como piada, os aliens fizeram uma aparição em uma história paralela não-canônica na edição número 75 de The Walking Dead. Ela termina com o Governador liderando a invasão alienígena. Ao seu lado está Lori, sua escrava sexual, o que, na verdade, era uma boa ideia para a série. Teria sido uma experiência horrível, mas Lori e a bebê teriam sobrevivido.

Kirkman também revela que ele considerou a ideia de Shane matar Rick, em vez do contrário.

“Eu tinha toda uma storyline planejada em que Shane mataria Rick e Carl veria.”, afirmou Kirk. “Então Carl, o menino que sabe que Shane matou seu pai, teria que lidar com o fato de estar no acampamento com esse cara.”

Algumas mudanças levaram Robert Kirkman a criar personagens inteiramente novos. Kirkman pensou que Rick poderia matar Glenn para salvar Carl, mas pareceu pouco realista. Então Kirkman criou Negan, que matou Glenn abominavelmente com um bastão de baseball coberto por arame farpado, chamado “Lucille”.

Kirkman afirma que Negan é seu personagem preferido porque ele tem um jeitinho com as palavras.

“É uma das coisas mais divertidas nos quadrinhos agora.”, ele diz. “Isso não significa que ele está seguro, mas eu simplesmente adoro ir lá e acrescentar a merd@ mais absurda de todas. Na maioria das vezes, ele diz algo que é completamente obsceno, algo que eu nunca diria. Mas, de vez em quando, ele dirá coisas que eu já disse às pessoas. Então é meio divertido ir lá e ter um personagem que pode comentar situações de uma maneira muito absurda que é muito ‘alien’ para os quadrinhos. Ninguém nunca se comportou com Negan antes e, para mim, é muito empolgante.”

O artista Charlie Adlard já revelou na Comic Con que o personagem é baseado em Henry Rollins, mas Kirkman parece estar tentando voltar atrás com esse spoiler, por motivos legais.

“Para um personagem como Negan, eu dei a ele [ao Adlard] informações específicas sobre como eu queria que ele fosse.”, Kirkman disse. “Dei a ele um ator que eu não direi o nome, no caso desse cara, posteriormente, querer estar no elenco do seriado, e nós não podemos [dizer o nome do ator]. Isso poderia ser problemático”.

Os quadrinhos de The Walking Dead continuarão durante um futuro previsível, mas Kirkman diz que ele já sabe como será o final, que nós não veremos até por volta da edição número 500, se tudo correr como planejado. É um segredo tão bem guardado que nem mesmo a AMC sabe. De fato, Kirkman diz que eles, possivelmente, não poderão usar o final dos quadrinhos na série televisiva.

“Meu objetivo agora é que os quadrinhos ultrapassem o seriado.”, ele revelou. “Essa é a coisa que mais me anima. A série televisiva é muito legal. Eu adoro trabalhar nela. Não quero que ela termine nunca. Mas eu realmente gosto da ideia da série seguir seu curso, chegando a um final muito legal e satisfatório para o seriado, e os quadrinhos continuando a cavar mais fundo e indo em frente. Acho que seria um lugar muito divertido para estar. O seriado está indo muito bem, então pode demorar um tempo. Talvez o seriado ultrapasse os quadrinhos, e isso será chato.”

Proposta Original (em inglês):








quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

VIDEO DA SEMANA-Blog da Sissi

Kyary Pamyu Pamyu



Ela é uma modelo, blogueira e cantora japonesa de 20 anos. Ela veio do bairro Harajuku, que é onde os jovens se encontram para mostrar seus visuais super excêntricos e curtir o final de semana em Tokyo. 

Ela tem um estilo muito fantástico, super lúdico e divertido. E os clipes são muito malucos!!!

  
Então a musica da semana e candy candy que quer dizer doce doce
Tradução:

Doce Doce

Talvez na mesa , talvez no meu bolso ou talvez na minha bolsa
Estou esquecendo todo o tempo, eu pondero minhas escolhas
Só um pouco , só um pouco ? só mais um pouco, a alegria
Está surgindo

Doce , doce doce doce doce
Docinho , docinho as garotas amam
Mascando , mascando mascando mascando mascando
Fofinho fofinho , mastigando amor
Doce , doce doce doce doce
Docinho , docinho as garotas amam
Mascando , mascando mascando mascando mascando
Fofinho fofinho , amor muito doce

Ah, mas, isso ou aquilo , todos querem ser incríveis
Eu ouvi o seu pedido, mas eu não tenho tempo para cuidar dele
Porque ,porque acima de tudo sou uma menina, então eu considero o '' agora '' precioso
Um doce cheiro permanece neste ambiente fofo

Doce , doce doce doce doce
Docinho , docinho as garotas amam
Mascando , mascando mascando mascando mascando
Fofinho fofinho , mastigando amor
Doce , doce doce doce doce
Docinho , docinho as garotas amam
Mascando , mascando mascando mascando mascando
Fofinho fofinho , amor muito doce

Amor doce amor doce
Amor doce amor doce
Amor doce amor doce
Amor doce amor doce
Mastigando amor

Doce doce doce doce doce
Doce doce doce doce doce

Doce , doce doce doce doce
Docinho , docinho as garotas amam
Mascando , mascando mascando mascando mascando
Fofinho fofinho , mastigando amor
Doce , doce doce doce doce
Docinho , docinho as garotas amam
Mascando , mascando mascando mascando mascando
Fofinho fofinho , amor doce


O seu disco de estreia já bombou nas paradas de músicas eletronicas no itunes dos EUA, da França e da Bélgica.



 A Kyary Pamyu Pamyu tem videos tão incríveis!!! 
E la tem um estilo muito fantástico, super lúdico e divertido. E os clipes são muito malucos!!!

The Walking Dead 4ª Temporada: Nono episódio terá flashback



carl-rick-the-walking-dead-s4-e09
Publicação americana Entertainment Weekly assistiu antecipamente o episódio que marca o retorno de The Walking Dead e conta o que podemos esperar para a série.
A última edição da revista americana Entertainment Weekly divulgou uma pequena sinopse do próximo episódio da 4ª temporada de The Walking Dead, o qual irá ao ar dia 9 de fevereiro nos Estados Unidos e no dia 11 de fevereiro no Brasil.
Nenhuma outra série de TV usa o silêncio com The Walking Dead. O bem sucedido drama de zumbis da AMC retorna em fevereiro após o banho de sangue que marcou o mid-season finale da 4ª temporada e surpreende com a quietude: cena de abertura sem diálogos, o zumbido de cigarras como trilha sonora e o modo como Andrew Lincoln faz com que cada fôlego de Rick Grimes pareça uma verdadeira tortura. Longos trechos do episódio se focam em Carl, que vagueia pelas ruas vazias do subúrbio. Chandler Riggs domina a cena como um Huckleberry Finn do pós-apocalipse. Inevitavelmente as pessoas começam a falar e os diálogos mostram que, a essa altura do campeonato, a série ainda apresenta problemas em construir resoluções de cena com alguns personagens (uma sequência de flashback em sonho é particularmente maçante). A construção visual da trama é de primeira categoria. Você só deseja que os personagens tivessem algo mais interessante a dizer.
Talvez o flashback referido pelo EW seja parte de algum delírio de Rick enquanto ele e Carl se refugiam em uma casa abandonada. Nos quadrinhos, é nesse momento que Rick alucina recebendo ligações telefônicas de Lori, sua falecida esposa, acontecimento que já foi mostrado na 3ª temporada.
Qual seu palpite sobre o flashback? Deixe sua opinião nos comentários.

Noite sem Fim - PARTE 1

Aquela tarde havia sido cansativa. O dia todo havia sido cansativo, para falar a verdade, mas a tarde havia sido especialmente corrida; coisa comum nos finais de semana mas era algo ao qual Kevin ainda tentava se habituar. Tem sido sempre assim desde que começara a trabalhar no mercado do seu tio a pouco mais de um mês. Haviam apenas quatro ''grandes mercados''por assim dizer, naquela pacata cidade em que vivia, e o mercado do seu tio Fillip era um dos maiores e mais conhecidos pela população local.



O Bolichão do velho Fill, era como chamavam os mais íntimos - os velhotes, clientes a quase cinco décadas. Fillip não mantia muitos empregados trabalhando consigo; eram apenas cinco, que se revezavam entre o caixa, açougue, organização dos produtos, assistência aos clientes, etc. O quinto empregado era o próprio Kevin, e sua tarefa era chegar lá as seis e trinta da manhã para verificar se estava tudo em ordem, e então preparar-se para abrir o estabelecimento as sete horas, junto de seu tio. Trabalhava o dia inteiro, mas somente sexta e sábado, pois eram dias em que o mercado precisava de mais um funcionário para dar conta da clientela, e então domingo a tarde, reunia-se com o restante do pessoal para fazer a faxina do local e a reposição dos estoques; tudo sob a supervisão de Fillip. Trabalhar justamente nos finais de semana podia não ser algo agradável, mas pelo menos o tio era generoso na hora do pagamento. S$ 400,00 dólares mensais para trabalhar três vezes por semana? Era muito bom.



Kevin chegou em casa, ergueu a porta da garagem e entrou com sua bicicleta. Havia comprado-a semana passada, quando recebeu o seu primeiro pagamento. Não havia saído barato, mas quando viu a bike na vitrine, precisou leva-la. Era um desses modelos novos com tudo que uma bicicleta foda precisa ter e, além disso, Kevin tinha uma espécie de paixão por bicicletas, apesar de não coleciona-las(não havia lugar na casa mesmo); então assim que comprou a nova, vendeu sua antiga pro filho do vizinho. Ao entrar, viu que o carro não estava na garagem. ''Que estranho a mãe ainda não ter chegado do serviço.'' pensou, e então escorou a bicicleta na parede. Parou e olhou por um instante ao redor, franzindo as sobrancelhas; em seguida deu um leve suspiro: a garagem estava uma tremenda bagunça. Mas é claro que ele não iria fazer nada a respeito ''Não hoje, pelo menos.'' pensou consigo mesmo,  então deu as costas e saiu, baixou a porta da garagem e a trancou. Ele estava faminto, exausto e perguntando-se porque seu tio não contratava mais um ou dois funcionários. Não era barato, ele sabia, mas o mercado estava em ascensão e Fillip já havia passado dos sessenta anos, não era mais um garotão, como dizia ser. ''Mas enfim, pelo menos eu estou de férias da faculdade e posso vadiar de segunda a quinta.'' pensou em voz alta, com um pequeno sorriso na cara. Observou a rua de sua casa, estava vazia. Haviam três carros estacionados e, lá na esquina, dois cães atravessavam tranquilamente pela faixa de segurança. Kevin riu. O Sol já estava baixo, com aquele tom alaranjado no horizonte e algumas casas estavam com as luzes de dentro e de fora acesas - incluindo as luzinhas de Natal - contrastando com o tom laranja e azulado do fim de tarde. Kevin suspirou, subiu os degraus da varanda e entrou em casa.

Acendeu a luz e, sem vontade alguma, apertou o interruptor que ligava as luzes de Natal da casa dele. Aquele clima natalino não o deixava muito a vontade. As pessoas felizes e aquela bobagem toda; Kevin nunca conseguiu se sentir parte disso. O motivo era que, em dezembro de 1994, seu pai havia morrido lutando contra as chamas de um incêndio de grande escala, ocorrido nas montanhas de Brook Hills. O corpo de bombeiros da cidade de Brook não estava conseguindo controlar as chamas e pediram socorro as cidades vizinhas. Richard Miller era bombeiro a mais de dez anos e, naquela semana, saiu as pressas de casa, prometendo retornar. Os noticiários locais mantinham a população atualizada e sua mãe estava sempre grudada no sofá acompanhando cada noticia. Quando tudo acabou, foram informadas as mortes de dois bombeiros e um civil. Kevin tinha apenas quatro anos quando isso aconteceu, mas a imagem dos companheiros de trabalho de seu pai chegando a sua casa e de sua mãe chorando, nunca saíram de sua cabeça. Seu pai morreu tentando salvar a vida do companheiro. Ele morreu como um herói, foi oque disseram. Dia 17 de dezembro faria dezoito anos que isso tudo ocorrera.

Kevin abriu a mochila e tirou dela uma caixa de leite, um pote de achocolatado em pó e dois sanduíches prontos que havia trazido consigo do mercado, em seguida os colocou na mesa da cozinha. Ouviu um barulho distante, como algo caindo. - Mãe! - chamou, ninguém respondeu. ''Mas o carro não esta na garagem...'' Retirou a embalagem plástica de um dos sanduíches e o mordeu com vontade. De boca cheia e mastigando, saiu da cozinha, subiu as escadas e foi até o quarto de sua mãe. - Mãe? - chamou de novo, mas ao abrir a porta encontrou o cômodo vazio. A janela do quarto estava aberta e uma brisa entrava por ela. Contornou a cama e foi fecha-la, abaixando-se antes para juntar o porta retratos que havia caído da cômoda. Na foto estava ele, sua mãe, sua vó e o cachorro da vó, Cueca. Kevin foi quem deu o nome. Sua mãe e sua vó até protestaram por um instante, mas não teve jeito, esse era o nome perfeito. O cachorrinho era branco com manchas escuras, e uma dessas manchas contornava o quadril e se estendia até a metade das coxinhas, lembrando uma cuequinha box; o rabo ainda era todo branco, como se tivesse saído de um furo do tecido. Todos achavam a maior graça. Kevin colocou o porta retratos de volta no seu lugar e ergueu o pulso pra olhar o relógio; já eram quase oito e meia. - Tu anda voltando tarde ultimamente hein mãe? Com certeza ta namorando de novo. - A mãe estava mais perfumada de uns dias pra cá, e Kevin havia encontrado uma rosa vermelha na mesinha da sala semana passada, mas preferiu fingir não ter visto nada. O ultimo namorado durou o que, uma três semanas?

Ao chegar em seu quarto, abriu o notebook e o ligou, mas sem nenhuma vontade de entrar na internet. Sentou-se na cama, ainda terminando de mastigar o ultimo pedaço do sanduíche. Havia um livro em cima do seu travesseiro, ele o colocou pra um lado e então esparramou-se. Deu um longo bocejo e sua visão embaçou. Esfregou os olhos e virou o rosto de lado; lá fora já anoitecia. Deu outro bocejo e seus olhos foram pesando cada vez mais enquanto observava o refletir das insistentes luzes de Natal no vidro da janela. Adormeceu.


____________


Kevin acordou assustado e ergueu-se da cama depois de ter ouvido um grito - ou pensar ter ouvido um grito. Esfregou os olhos, com certeza havia sido só um sonho. Voltou a deitar e tirou o celular do bolso da calça enquanto bocejava. Com os olhos lacrimejados de sono, olhou a hora e voltou a levantar-se, dessa vez realmente assustado. Eram quase seis horas da manhã! - Merda como foi que dormi tanto!? - Levantou da cama, iluminando o caminho com o celular, pegou sua toalha de banho jogou-a no ombro e abriu a gaveta de cuecas. Estava muito escuro. Apertou o interruptor de luz, mas a luz não acendeu. ''Que merda, será que a lâmpada queimou?'' Saiu do quarto e tentou acender a luz do corredor, mas ela também não acendeu. - Ótima hora pra vocês cortarem a luz, seus imbecis! - disse ele, imaginando que tipo de trabalho estariam fazendo na rede elétrica a essa hora da manhã e em pleno sábado. O celular apitou, a bateria estava fraca. ''Droga, essa não.'' Desceu e foi até a porta que levava a garagem, apontando a luz do celular para os degraus da escada. Havia uma lanterna ali em algum lugar. Foi até as prateleiras procurar. Caixas vazias, ventilador estragado, teias de aranha, caixas com entulhos... e a lanterna ao lado. - Beleza! - disse e voltou por onde veio. Foi até o banheiro escovar os dentes, lamentando por não conseguir enxergar-se no espelho e amaldiçoando os caras da companhia elétrica. Tomou o banho mais rápido da sua vida - com a água gelada mesmo - vestiu-se, arrumou o cabelo para trás e voltou até a sala, estranhando aquela escuridão toda. Tornou a olhar seu relógio, ele marcava 6:28, já deveria estar clareando lá fora. Foi até a porta, abriu-a e saiu na varanda. Uma brisa gelada o atingiu e ele encolheu os braços. Estava tudo muito escuro. O céu estava negro, não havia som algum na rua, oque era ainda mais estranho, pois muita gente sai trabalhar a essa mesma hora. Dois postes piscavam uma luz morta no fim da rua. Kevin voltou para dentro de casa, fechou a porta e foi até o quarto de sua mãe, ficando surpreso ao ver que ela não havia dormido em casa - ele nem lembrou de perceber se o carro estava ou não na garagem. Pegou seu celular para ligar pra ela e ficou pensativo por um instante, quase desistindo, mas decidiu que ligaria. A chamada caiu na caixa postal e as chamadas seguintes terminaram da mesma forma. Já eram 6:46. Ele tentou evitar ao máximo, mas agora estava começando a ficar assustado.

Subiu de novo até seu quarto e vestiu uma jaqueta. Tentou ligar para sua mãe uma ultima vez, mas caiu na caixa postal novamente; isso já estava o deixando bastante preocupado. - Droga mãe, atende... - respirou fundo. - Tudo bem, ela esta bem e... - um grito fez ele se virar imediatamente, pareceu ter vindo da rua. Kevin deu um pulo até a janela. Uma pessoa cruzou correndo e caiu bem em frente a sua casa. Não dava para ver direito devido a escuridão, mas... parecia ser uma mulher. Kevin podia ouvi-la chorando e pedindo socorro. Estaria ferida ou coisa do tipo? Ele estava prestes a descer para oferecer ajuda, mas algo aconteceu: uma espécie de névoa negra, uma massa ainda mais escura que a própria escuridão noturna foi envolvendo a moça aos poucos, enquanto ela se arrastava e gritava por socorro; então a nuvem negra a cobriu por completo, e os gritos foram abafados, até que não pode se ouvir mais nada. Segundos depois o agressor desapareceu, misturando-se a escuridão. Kevin cambaleou para trás, tentando não acreditar no que viu. ''O que diabos foi aquilo!?'' Desceu correndo as escadas e observou pela janela da porta. A moça estava caida no mesmo lugar e não havia sinal do agressor. ''Mas oque foi aquilo que aconteceu!? O que era aquela coisa!?'' Kevin estava com medo e não parava de pensar em sua mãe. Por que não atendia o celular? Estaria segura? ''Meu Deus.'' Abriu a porta e desceu a varanda, iluminando o caminho com a lanterna; o feixe de luz focando tudo que parecia mover-se, porém, nada realmente se movia. Quando ele chegou perto o suficiente da moça caída, a luz da lanterna iluminou uma cena de horror: ela estava morta e em seu rosto pálido estava estampada uma expressão de dor e agonia inimagináveis. Seu abdômen e tórax estavam abertos e completamente vazios; havia sangue pra todo o lado, mas nenhum órgão. Kevin colocou a mão na boca e virou o rosto, tentando não vomitar. Com a mão trêmula, pegou o celular pra ligar pra polícia, mas a bateria havia acabado. - Ótimo, mais essa agora! - Gritou, olhando pra todos os lados. A luz da lanterna seguindo a direção de seus olhos. O que era isto tudo!? O que diabos estava acontecendo!? Ele estava em choque, a mulher estava morta e ele não sabia oque fazer; até que um barulho chamou sua atenção, fazendo-o virar imediatamente. Uma lata de lixo apareceu rolando a calçada. Kevin olhou ao redor, sentindo-se observado. No fim da rua, aqueles dois postes ainda piscavam fraco, lutando para se manterem acesos, até que ambos estouraram, deixando a esquina em completa escuridão. Kevin voltou correndo para dentro de casa, batendo a porta atrás de si.

Nova prévia da 4ª temporada de The Walking Dead mostra os sobreviventes em perigo



A AMC divulgou em sua programação uma nova prévia da 4ª temporada de The Walking Dead. O vídeo não está com uma qualidade boa, mas podemos observar o quão difícil será a jornada dos nossos sobreviventes pós queda da prisão. Beth, aparentemente conversando com Daryl e tentando convence-lo de que eles não são os únicos que sobreviveram ao ataque do Governador, enquanto que Rick passa a mensagem de que as coisas jamais voltarão a ser do jeito que eram antes, com a morte de Hershel, a possível morte de Judith e a separação do grupo. Confira:
gora um detalhe SUPER importante:
CAROL ESTÁ DE VOLTA! Sim, aquela pessoa segurando um revólver, sem dúvidas, é a nossa Carol. Mas por qual motivo ela estaria se preparando para atirar? Será apenas para se livrar de um walker, ou ela terá que tomar uma difícil decisão nessa segunda parte da temporada? Outra teoria (enviada pela @bellsalvim) seria de que ela teria encontrado com o Tyreese na floresta e acha que ele sabe que foi ela quem matou as pessoas na prisão e poderia estar segurando a arma para se proteger. O que você acha? Deixe suas teorias e pensamentos nos comentários abaixo!
The Waking Dead – Episódio 4×09 – After (Após)
Sinopse: “Enquanto Rick lida com suas antigas feridas, membros da prisão precisam chegar a um acordo sobre seu novo local e se questionar se sobreviver sozinho é o suficiente.”
Escrito por: Robert Kirkman | Dirigido por: Greg Nicotero
The Walking Dead irá retornar com os oito últimos episódios da quarta temporada no dia 09 de fevereiro de 2014 na AMC e 11 de fevereiro de 2014 na FOX Brasil.