sábado, 10 de agosto de 2013

Dallas Roberts fala sobre o Grande Momento de Milton e Cenas Originais que não Vimos


[ALERTA DE SPOILER: Pare de ler agora caso ainda não tenha assistido ao último episódio da terceira temporada de The Walking Dead.]
Milton era obcecado por aprender como os zumbis agiam e o que pensavam depois de terem sido transformados. Bem, ele teve uma experiência em primeira mão no episódio final da 3ª temporada, após ser esfaqueado pelo Governador, sangrar, morrer, se transformar e então morder Andrea (obrigando-a a se matar antes de se transformar também). Acompanhe agora uma entrevista com o homem que interpretou Milton, Dallas Roberts, que falou sobre o impecavelmente bem vestido e penteado assistente do Governador, enquanto também revelava como a sequencia original foi filmada, antes do elenco ser chamado, alguns meses depois, para voltar e regravar a cena  angustiante de Andrea e Milton.
ENTERTAINMENT WEEKLY: Então, eu meio que adivinhei que você não conseguiria sair dessa temporada vivo, uma vez que ouvi que você tinha sido convidado para o elenco de Unforgettable, da CBS.
DALLAS ROBERTS: Foi um bom palpite. Eu estava obviamente morto quando Unforgettable apareceu. É tão bom não ter mais que fazer rodeios nem mentir, como “Bem, veja o que acontece com o Milton na 4ª temporada!”. É ótimo não ter mais que fazer isso.
EW: Na verdade eu achava que havia uma boa chance de que o Milton seria o cara a matar o Governador, então isso mostra o que eu sei.
ROBERTS: Eu ouvi isso de várias pessoas, e acho que o Milton poderia facilmente ter se tornado alguém poderoso lá, mas eles obviamente decidiram que a vida do Governador era valiosa demais para matá-lo agora.
EW: Eu tenho que dizer que foi uma tentativa tosca tirar o Governador da sala empurrando-o daquele jeito. Era muito fácil para ele bloquear e contra atacar.
ROBERTS: Sim, absolutamente. Milton é um pouco enferrujado em seus golpes de karatê e defesa pessoal. E suas habilidades com uma faca não são lá essas coisas, certamente.
EW: Então, como e quando eles te deram a notícia sobre a morte de Milton? Estou supondo que o Mazzara tenha te chamado.
ROBERTS: Foi no outono. Eles tinham que encerrar a produção em uma semana ou 10 dias, para a adaptação para o último episódio.  Eu estava na cidade de Nova Iorque na época e recebi o telefonema de Glen (Mazzara). Eu não fiquei surpreso, e então ele me disse como iria acontecer, o que variou um pouco do que você viu.

EW: Sim, eu sei que originalmente vocês filmaram uma versão bem diferente de toda a cena. Conte como foi originalmente gravado.
ROBERTS: Originalmente, aquela cena inicial do espancamento, não existia. No original, eu apareci e fui levado para a sala onde estava Andrea e levei as ferramentas para fora – os instrumentos de tortura que foram colocados sobre a mesa – e então ele atirou na minha barriga, de forma completamente inesperada. E então eu fui deixado para sangrar até a morte, mantendo a mesma idéia de “você vai matá-la agora”. Havia muito mais Milton tentando abrir a porta e tentando libertá-la das algemas. E então, havia uma parte onde ele enrolava a corrente em volta do pescoço para tentar sufocá-la até a morte antes de se transformar, para ela não ter que lidar com o zumbi Milton, ou mordedor Milton, como fosse.
E então, no final de tudo, era apenas Tyresse e mais alguém que a encontravam. Rick, Daryl e Michonne não estavam lá. Então, foi essencialmente a mesma idéia, exceto que você me viu tirando pedaços da Laurie Holden nessa versão. E então, eles nos chamaram de volta alguns meses depois para regravar e fazer todas aquelas mudanças. Agora você não tem certeza se eu a peguei até que as portas se abram, e acho que esse foi o motivo deles terem feito isso.

EW: Então eles realmente fimaram a cena de você como zumbi mordendo a Andrea?
ROBERTS: Sim. É engraçado, nos artigos e no Talking Dead da noite do episódio, você nota Milton ainda com os óculos. São imagens das cenas que filmamos e não foram ao ar. Porque Milton tem seus óculos derrubados no chão e nunca aparece com eles na cena do interrogatório nesse final. Mas eu já vi várias fotos do Milton com sangue na boca e óculos, que eram da cena original.
EW: Então conte mais sobre a parte que você tentava estrangulá-la.
ROBERTS: Ambos queriam desesperadamente que aquilo funcionasse, mas naquele momento ele tinha sangrado muito. Assim, ele puxa e puxa e puxa, mas não consegue, cai contra a parede e desmaia. E ele não volta mais até que tenha se transformado em um zumbi.
EW: Quando você voltou para regravar, foi depois do Glen Mazzara ter saído da série?
ROBERTS: Sim, isso foi depois que ele e a AMC tinham resolvido se separar, mas ele ainda era teoricamente responsável pela volta de metade da temporada. Eu não o vi lá. Eu não sei se eles estava em LA coordenando as coisas. Scott Gimple, que acabou assumindo a posição de showrunner, estava lá, então algumas dessas mudanças podem ter vindo dele.
EW: Havia mesmo uma pequena parte de Milton que talvez estivesse curiosa sobre a transformação em zumbi depois de toda a pesquisa que ele tinha feito? Qualquer tipo de fascínio de se tornar o último objeto de estudo daquele caso?
ROBERTS: Sim, tenho certeza de que se ele não estivesse tão apavorado com a idéia de volta e atacar sua amiga, ele provavelmente iria se sentar, sentir tudo o que estava acontecendo e tentar examinar a si mesmo durante a transformação. Infelizmente, ele se doou a ciência, mas ele estava muito preocupado em não matar Andrea para notar.

EW: Eu acho que os espectadores realmente responderam ao Milton, porque ele era tão diferente dos outros personagens da série com todo aquele machismo e agressão. Seria bom poder ter um personagem que se destacava dos outros nesse sentido, por ele ser tão diferente de todos os outros?
ROBERTS: Algumas dessas coisas acabaram relacionadas a mim pela produção. Um dia eles cortaram meu cabelo desse jeito e as roupas foram por esse caminho. Eles estavam tipo, “Não, a camisa está dobrada o tempo todo”, e o pessoal da maquiagem ficavam tipo “não há terra em cima dele”. Então, eu pensei que havia alguma razão para isso e que chegaríamos a algum ponto. Eu nunca conseguia descobrir porque ele era tão pressionado e arrumado e limpo, mas o contraste com o Rooker no início e aqueles dois rapazes lutando por atenção com o Governador e como o papel era desempenhado – Eu comecei a apreciar a diferença entre Milton e o resto da equipe e sua capacidade de ser estranho, mesmo que eu não entendesse exatamente o motivo. Eu não tinha idéia de que essa estranheza seria tão assustadora! Por um tempo as pessoas me diziam “Milton é tão assustador!” e eu ficava tipo, ok. Eu nunca tentei torcer o bigode e rastejar.
EW: Como foi a sua despedida? Você realmente não trabalhou muito com o grupo do elenco principal desde que você só encontrou alguns membros do grupo da prisão naquele episódio chave entre Rick e o Governador. Então como foi quando você teve que dizer adeus, e então voltar uns meses depois e dizer adeus novamente?
ROBERTS: A primeira vez que gravamos, eu sabia que o grupo da prisão apareceria em peso para estar lá pela Laurie Holden, porque ela estava saindo também. Então, eu sabia meu lugar lá e estava feliz com isso. A despedida lá foi muito “Foi um prazer e muito obrigado. Agora vá focar na mulher que você veio se concentrar”. E foi semelhante na segunda vez. Eu estava coberto de sangue falso e lentes de contato e esse tipo de coisa, e parte da curta despedida foi eu querendo me livrar daquelas coisas nos meus olhos e ter meu rosto limpo novamente e tirar todo o sangue falso das minhas calças. Eu entendi que era o momento de Laurie e eu não o teria de outra maneira.